Arábia Saudita suspende importação de frango da JBS e outras 2 empresas

Governo diz que não houve justificativa

Está em contato com autoridades sauditas

Sete das 11 unidades suspensas são da JBS. Governo brasileiro, diz que recebeu a notícia “com surpresa e consternação”Divulgação/JBS


07.maio.2021 (sexta-feira) – 3h27

A Arábia Saudita suspendeu nessa 5ª feira (6.mai.2021) a importação de carne de frango de 11 unidades brasileiras, das quais 7 são do grupo JBS. O país é o 2º maior comprador da proteína animal brasileira.

Em nota conjunta, os ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores disseram que receberam a notícia “com surpresa e consternação”. As pastas afirmaram que não foram contactadas pelas autoridades sauditas e que não houve “apresentação de motivações ou justificativas que embasem as suspensões”.

A informação consta apenas em nova lista de plantas brasileiras autorizadas a exportar, publicada hoje pela Saudi Food and Drug Authority (SFDA), que exclui os referidos estabelecimentos, previamente permitidos”, lê-se no comunicado.

Até o momento, apenas o Brasil foi objeto de atualização de lista de exportadores de carne de aves.

Receba a newsletter do Poder360

Segundo o documento da SFDA, duas das unidades suspensas são da JBS Aves: a de Passo Fundo (RS) e de Montenegro (RS). As outras 5 são da Seara: Brasília (DF), Campo Mourão (PR), Amparo (SP), Ipumirim (SC) e Caxias do Sul (RS).

 

 

A JBS disse, em nota, que procurou a autoridade sanitária saudita para entender a suspensão. “A produção antes destinada à Arábia Saudita já foi redirecionada para outros mercados”, falou a empresa.

O grupo Vibra Agroindustrial teve 3 unidades suspensas: Itapejara D’Oeste (PR); Pato Branco (PR) e Sete Lagoas (MG). A Agroaraçá, uma: Nova Araçá (RS).

A medida entra em vigor em 23 de maio. Os ministérios disseram que estão em conversas com autoridades da Arábia Saudita e da embaixada do país em Brasília,

Caso se comprove a interposição de barreira indevida ao comércio, o Brasil poderá levar o caso à OMC [Organização Mundial do Comércio]”, declararam as pastas.

O Brasil reitera os elevados padrões de qualidade e sanidade seguidos por toda nossa cadeia de produtos de origem animal, assegurados por rigorosas inspeções do serviço veterinário oficial. Há confiança de que todos os requisitos sanitários estabelecidos por mercados de destino são integralmente cumpridos”, afirmam os ministérios.

Print Friendly, PDF & Email
error: