Aras afasta procurador acusado de passar informações sigilosas à JBS

Poder360

Fez parte da operação Greenfield

Teria vendido informações à empresa

O procurador da República afastado Ângelo Goulart VillelaMarcelo Camargo/Agência Brasil – 17.out.2017

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afastou o procurador Ângelo Goulart Villela de suas funções no MPF (Ministério Público Federal), com suspensão do pagamento de vencimentos e vantagens pecuniárias.

A decisão foi oficializada em portaria (íntegra – 333 KB) publicada nesta 2ª feira (8.fev.2021) e cumpre decisão liminar (provisória) da 4ª Vara Civil Federal de São Paulo.

Receba a newsletter do Poder360

O procurador foi acusado de violação ao dever de sigilo funcional por vender informações sigilosas da operação Greenfield, que apura fraudes em fundos públicos de pensão, à JBS, empresa do grupo J&F. Foi preso em maio de 2017 após delações de executivos da empresa. Em 1º de agosto do mesmo ano, Villela foi solto após decisão da 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal).

 

 

Em 2018, Vilela foi afastado do cargo pelo Conselho Superior do MPF, que instaurou processo administrativo para apurar sua conduta. Ao julgar o caso, em 12 de maio de 2020, o conselho decidiu, por 9 votos a 1, pela demissão de Villela. Em seu voto, Aras afirmou que o vazamento de informações era uma “covardia” e uma “falta de lealdade institucional”, pois “suprime o direito ao contraditório e à ampla defesa”.

À época, a defesa do procurador argumentou que Villela era inocente, pois “o material enviado ao advogado do grupo J&F não era sigiloso e visava a convencê-los para celebração de um acordo de delação premiada, o que efetivamente acabou ocorrendo depois”.

Contudo, em dezembro do ano passado, o procurador virou réu em ação no TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) por crimes de corrupção passiva, violação de sigilo funcional, lavagem de dinheiro e obstrução de investigação criminal.

Print Friendly, PDF & Email
error: