Joesley e Wesley Batista são os cupins da República, escreve Tognozzi no Poder360

Poder360

Transformaram os Três Poderes

Para construir seu império


20.jun.2020 (sábado) – 6h00

FERAS E PORCOS

Circe, do clã dos Titans, filha de Helios e Perseis, morava na Ilha de Eana. Linda e sedutora, foi a feiticeira mais famosa da Grécia antiga, imortalizada na Odisseia de Homero. Cultivava o especial prazer de corromper homens que se entregavam de corpo e alma à luxúria, à riqueza, aos bons vinhos, boa comida e ao prazer a qualquer preço. Os homens iam até o palácio de Circe, no centro da sua ilha em algum lugar no Mediterrâneo, movidos pela curiosidade ou levados pelo acaso, largados ali pelas tormentas.

Na Odisseia, Homero conta que Ulisses desembarcou na ilha de Eana, subiu num monte e avistou um palácio cercado de árvores. Mandou seus homens verificarem. Lá chagando, eles foram recebidos pela bela Circe, seduzidos pelo vinho, a boa comida, os prazeres. Ao final do banquete, todos acabaram transformados em porcos. Este era o destino trágico imposto aos fracos por ela seduzidos e depois desprezados.

Alguns homens Circe transformava em feras e os fazia vigiar seu palácio e seus domínios. Mas para a maioria deles, corrompidos tão facilmente, ela apontava sua varinha mágica e os transformava em porcos.

A feitiçaria de Circe tem sobrevivido há milênios. Todos os dias homens são transformados em feras ou porcos depois de se entregarem à corrupção. Maiores produtores de proteína animal do mundo, os irmãos Joesley e Wesley Batista encarnam a Circe dos nossos dias. Quem lê as confissões dos irmãos ao Ministério Público entende como conseguiram erguer um império multinacional alavancado por empréstimos obtidos junto ao BNDES, pelos quais pagaram subornos milionários, como os US$ 50 milhões supostamente entregues ao ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Ele seria um entre os mais de 1.800 agentes públicos subornados –ou melhor, transformados em porcos– por Joesley e Wesley.

O nome de Circe vem dos gritos do falcão –circ, circ– quando está caçando. Essa ave de rapina vai rodeando suas presas e cercando, até que de repente dá o bote. Com os Batista é igual. Nunca houve da parte deles nada além do pragmatismo. Corromper era parte do negócio. Os que tinham poder, parlamentares e chefes de governo, eram transformados em feras. Os outros viraram porcos.

Como um câncer ou um coronavírus, os donos da J&F contaminaram rapidamente todas as esferas de poder. Em uma década mudaram o perfil do parlamento com suas doações eleitorais por dentro e por fora. Joesley jacta-se no áudio da sua conversa com o ex-presidente Temer, em 2017, ter corrompido um juiz e um procurador. Pelo menos 2 procuradores foram acusados de sucumbir ao feitiço dos Batistas. Um deles, Ângelo Goulart Villela, foi preso na operação Patmos. Ou outro está com o processo trancado no TRF-1.

Joesley e Wesley são os verdadeiros cupins da República. Contaminaram todo o aparato de Estado, corroeram estruturas dos Três Poderes. Mesmo assim, conseguiram um acordo de leniência, em troca de confessar seus feitiços e denunciar porcos e feras. Os 3 últimos ocupantes da cadeira de procurador-geral da República denunciaram este acordo e pediram para que o Supremo Tribunal Federal o declarasse nulo. Há 3 anos os Batistas assistem a corte adiar a decisão sobre esta anulação, embora denúncias de novos atos ilegais tenham brotado como cogumelos no pasto, tanto aqui como no exterior.

Existem investigações nos Estados Unidos, onde parlamentares vêm pressionando o Departamento de Justiça para apurar os detalhes envolvendo compra de empresas a partir de empréstimos obtidos em troca de subornos. A CPI do BNDES desvendou detalhes da compra fraudulenta do frigorífico Bertin pela JBS, feita com contratos de gaveta e mágicas contábeis típicas das negociatas nas quais os irmãos juntaram porcos e feras, fazendo o país refém das suas ambições e irresponsabilidades.

Faz pouco dias os Batista se movimentaram para divulgar sua volta à direção das empresas, fruto de uma decisão judicial, e a doação de algumas centenas de milhões de reais para o combate à pandemia de covid-19 no Brasil. Agiram como quem adquire uma espécie de simonia. Como se, depois de roubar bilhões, comprassem da sociedade a indulgência pelos pecados mortais praticados contra os brasileiros. O Brasil não é um país pobre. É um país de pobres, onde a desigualdade, a ignorância e a falta de oportunidades são filhas deste comportamento nefasto praticado pelos Batista. Rouba-se bilhões, devolve-se uma migalha e tudo acaba bem.

A diferença entre Circe e os 2 irmãos da J&F é que a feiticeira foi derrotada por Ulisses. O herói recebeu do deus Hermes a preciosa informação sobre quem era Circe e, junto, um ramo da planta antídoto para seus feitiços. No caso de Joesley e Wesley, a Justiça ainda não encontrou antídoto capaz de acabar com seus encantamentos e artimanhas, mesmo depois de o deus Hermes ter encarnado na Procuradoria Geral da República.

Print Friendly, PDF & Email
error: