Tesouro dos EUA analisa dados financeiros suspeitos sobre a JBS desde 2014

Informação corrobora crimes relatados

Delação no Brasil foi apenas em 2017

Apuração é parte da série FinCen Files

JBS diz já ter relatado ações passadas

Agência FinCen nos EUA já havia sido alertada sobre operações suspeitas da empresa 6 anos antes da delação premiada no Brasilreprodução


25.set.2020 (sexta-feira) – 6h00

As autoridades americanas que combatem lavagem de dinheiro receberam comunicados de transações internacionais suspeitas da JBS desde 2014. Só 3 anos depois, em 2017, os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da empresa, fizeram uma delação premiada no Brasil e revelaram crimes cometidos, inclusive a compra de políticos por meio do pagamento de propinas.

Os dados sobre movimentações financeiras da JBS aparecem em registros chamados de Relatórios de Atividades Suspeitas (Suspicious Activity Reports, SARs, em inglês) produzidos pela FinCen (Financial Crimes Enforcement Network ou Rede de Combate a Crimes Financeiros), braço do Departamento do Tesouro dos EUA. O Tesouro norte-americano é similar ao Ministério da Economia no Brasil.

Receba a newsletter do Poder360

Criada em 1990, a FinCen é uma espécie de agência financeira que atua contra lavagem de dinheiro, uso de recursos por grupos considerados terroristas e outros tipos de crimes monetários. No Brasil, o organismo equivalente seria o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), só que a FinCen tem muito mais poder.

A documentação utilizada nesta reportagem foi obtida pelo BuzzFeed nos Estados Unidos e compartilhada com o ICIJ (International Consortium of Investigative Journalists, ou Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), que coordenou a apuração batizada de “FinCen Files” (Arquivos FinCen). Participaram da investigação mais de 400 jornalistas de 110 meios de comunicação de 88 países –no Brasil, o Poder360 e as revistas Época e Piauí.

EUA À FRENTE DO BRASIL

O acervo colocado à disposição agora é útil para comparar o que faziam os irmãos Batistas e o que relataram às autoridades brasileiras quando fizeram sua delação premiada, que depois teve 1 pedido de rescisão apresentado pelo próprio Ministério Público e ainda aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal.

Fica claro pela análise da papelada que os órgãos de controle dos EUA estão anos-luz à frente dos seus similares no Brasil. Quando a JBS exibia nas TVs brasileiras o comercial de Roberto Carlos dizendo que voltara a comer carne, em 2014, autoridades norte-americanas já rastreavam possíveis traficâncias dos irmãos Batistas. As primeiras suspeitas sobre a JBS foram levantadas pelas autoridades dos EUA no ano daquela propaganda.

Nos documentos obtidos fica evidente que operações ligadas a duas empresas offshore relacionadas à JBS e seus donos (a Lunsville e a Valdarco, ambas no Panamá) têm dados desde 2014 que foram analisados pela FinCen.

A FinCen também cita uma empresa que operou como representante comercial dos irmãos Batistas para vender os produtos da JBS na Europa, a Unifleisch –e que recebia comissões para prestar esse serviço. Os alertas indicam que a comissão era de 3%.

NOVA EMPRESA: UNIFLEISCH

A Unifleisch era até agora uma novidade na mídia brasileira. Não aparecia nada quando alguém buscava na internet pelo nome dessa empresa associada à Lava Jato ou a delações de Joesley e de Wesley Batista.

Poder360 apurou que a Unifleisch já operava como representante comercial para o antigo Frigorífico Bertin, que foi comprado pela JBS em 2010. Essa entrada do Bertin no mercado de exportação era o que atraiu Joesley e Wesley Batista: eles queriam adquirir uma plataforma para vender os produtos da JBS (ainda mais conhecida como Friboi) em outros países.

A partir da compra da Bertin, os irmãos Batistas mantiveram os mesmos serviços da representação da Unifleisch.

Essa empresa passou a fazer parte do sistema usado por Joesley e Wesley Batista para trazer irregularmente parte dos recursos que a JBS tinha para receber por exportações. Esse tipo de operação está descrito nas delações que fizeram à Lava Jato, em 2017.

Parte do dinheiro “quente” das exportações ia parar em empresas offshore no Panamá –para depois retornar “esfriado” ao Brasil por meio de doleiros e pagar propinas. Informações que corroboram essas operações estão em documentos com as confissões feitas ao Ministério Público e já se conhecia. Em 2017 o então diretor da JBS, Demilton Antonio de Castro, explicou no anexo 41 de sua delação que tal desvio ocorria desde o ano 2000.

A Unifleisch repassava parte dos pagamentos da JBS por exportações para contas no Panamá. Como cuidava da representação comercial, depositava onde os acionistas da JBS determinavam. O dinheiro que depois era “esfriado” ia sobretudo para as empresas Lunsville e Valdarco, no Panamá.

É interessante nesse episódio como fica exposta a fragilidade dos mecanismos de controles fiscal e financeiro no Brasil. A Receita Federal poderia ter detectado no início dos anos 2010 que a JBS não trazia de volta para a sede uma parte dos seus rendimentos externos. O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) tampouco conseguiu acender algum alerta a respeito dessas transações suspeitas. Enquanto isso, nos EUA, a FinCen já havia recebido dados de possíveis traficâncias que ocorriam desde 2011.

Os brasileiros só começaram mesmo a saber o que se passava depois da delação premiada de Demilton Antônio de Castro para o Ministério Público. No relato de Demilton, de 2017, a operação é descrita no anexo nº 41 (quando ele faz referência à Lunsville e à Valdarco).

Depois de apresentar suas informações iniciais no anexo 41, Demilton mostrou ao MP provas materiais do que havia dito. Apresentou extratos bancários que indicavam as transferências de dinheiro para as contas das duas empresas no Panamá (Lunsville e Valdarco). Aí o Ministério Público passou também a conhecer o nome da Unifleisch como sendo a fonte dos pagamentos.

Poder360 confirmou com autoridades que acompanham o caso que os extratos bancários existem. Foram todos entregues ao Ministério Público e o nome da Unifleisch está lá, como fonte pagadora dos recursos que iam para paraísos fiscais. As informações foram prestadas pela JBS durante o processo de delação, em meados de 2017.

A Unifleisch aparece também em documentos dos processos fiscais posteriores que a JBS enfrentou na Receita Federal. Segundo o Poder360 apurou, o Fisco tem extratos identificando essas operações e sabe que a origem dos recursos é a representante comercial Unifleisch.

Ao mostrar os extratos à Receita Federal, a JBS afirma que a relação comercial com a Unifleisch se baseava na forma de “comissão lícita” pelos serviços prestados.

REVELAÇÕES DA FINCEN

O que todos esses documentos da FinCen trazem de novidade?

A principal é que as autoridades de controle nos EUA já sabiam muita coisa sobre Joesley e Wesley Batista, com dados registrados desde 2011. Os alertas sobre a empresa começaram a ser feitos em 2014.

A agência financeira norte-americana sabia exatamente como a representante comercial da JBS, a Unifleisch, enviava parte do dinheiro lícito das vendas da empresa brasileira no exterior diretamente para offshores no Panamá.

A FinCen cita 7 operações da Unifleisch que considerou suspeitas. São as seguintes:

  • US$ 633,9 milhões movimentados pela Unifleisch — a FinCen afirma que dados do Barclays no Reino Unido, compartilhados com a agência do banco em Nova York e depois transformados num alerta, indicam que a Unifleisch fez 859 transferências de dinheiro no período de 6 de setembro de 2011 a 12 de abril de 2016. Total movimentado: US$ 633,9 milhões (o relatório tem o valor exato: US$ 633.944.525,20).
  • US$ 2,3 milhões para a European Consultant – a agência americana considera suspeita a transferência feita em dezembro de 2014 para um banco nas Ilhas Cayman, um paraíso fiscal, porque não está clara a origem dos fundos.
  • US$ 2,07 milhões para a Triple Talent Holding – o órgão americano colocou uma bandeira amarela na movimentação porque a empresa que recebeu os recursos em outubro de 2015 é de Hong Kong, teve as suas atividades encerradas e não há informações públicas sobre a sua finalidade comercial.
  • US$ 1,59 milhão para a Pershing Limited Liability – a operação foi considerada suspeita porque a remessa, de setembro de 2015, teve como justificativa de origem uma empresa, a Have Word Advisers, que não tem atividade conhecida.
  • US$ 52 milhões para a Antigua Investments – o banco no Reino Unido considerou o depósito suspeito porque dizia não saber o que faz a Antigua. Posteriormente o banco recebeu a informação de que a Antigua Investments é uma empresa de investimentos pessoais de José Batista Sobrinho, o pai de Joesley e Wesley Batista.
  • US$ 86,6 mil para a Unifleisch S/A da Suíça – a empresa inglesa enviou os recursos em outubro de 2015 para uma empresa de mesmo nome, só que localizada em território suíço. O banco inglês colocou a remessa sob suspeição porque não se sabe a origem dos fundos transferidos.

O ponto em comum entre essas movimentações é que elas foram para destinatários localizados em “jurisdições com alto risco de lavagem de dinheiro”. Trata-se de fundos, como está nas delações da JBS, que depois entravam no Brasil por meio de doleiros para pagar propinas para políticos e autoridades.

O relatório da FinCen vai até 2016. Descreve muitos fatos conhecidos. Mas, ao deixar claro que autoridades nos EUA sabiam o que se passava, fica mais fácil entender o que veio depois.

Em 2016 (data do relatório conhecido mais recente da FinCen), os irmãos Batistas ou endereços de suas empresas já estavam sendo alvos operações de busca e apreensão da Polícia Federal. No ano seguinte, decidiram fazer delação premiada –inclusive a rumorosa gravação que Joesley fez de uma conversa pessoal que teve com o então presidente Michel Temer, em 17 de abril de 2017.

Ao olhar os fatos de maneira retrospectiva, passa a fazer sentido também que a representante comercial Unifleisch, no Reino Unido, tenha encerrado suas atividades em dezembro de 2016. Essa unidade, se foi mesmo usada pelos irmãos Batistas, era a mais encrencada pelo fato de o Barclays ter feito o alerta à FinCen.

Os irmãos Batistas podem ter inferido que o esquema usado estava para ser desmontando pelas autoridades.

Há 5 relatórios nos FinCen Files que detalham transações financeiras de contas oficiais da principal empresa do Grupo J&F, a JBS S/A.

As transações foram registradas no banco de dados do Deutsche Bank e totalizam US$ 1,86 bilhão de agosto de 2014 a setembro de 2015 (o equivalente a pouco mais de R$ 10 bilhões, segundo a cotação do dólar de 5ª feira, 24 de setembro de 2020). Não há evidências sobre irregularidades, mas tampouco é possível saber se houve alguma investigação mais profunda nem qual teria sido a conclusão.

QUEM É DONO DA UNIFLEISCH

Os extratos do dinheiro enviado pela Unifleisch para o Panamá não foram vazados para a mídia em 2017 nem em 2018, quando a JBS estava muito em evidência por causa da Lava Jato.

Curiosamente, quando alguém lê as 49 páginas do acordo de leniência da JBS com o Ministério Público, assinado em 5 de junho de 2017, não encontra citado o nome Unifleisch. Aliás, a Lunsville e Valdarco tampouco aparecem –apesar de terem sido mencionadas explicitamente nas delações sobre como o dinheiro da JBS era desviado para paraísos fiscais. O documento americano com a suspeita em torno da Unifleisch foi feito quase um mês antes da leniência: é de 9 de maio de 2017.

Nos documentos da FinCen fica muito claro que a relação da Unifleisch com as offshores do Panamá é muito próxima. São engrenagens do mesmo esquema.

A FinCen, entretanto, não afirma categoricamente nada sobre quem seria o dono da Unifleisch, que permanece indefinido, como se verá a seguir nesta reportagem –embora a relação dessa empresa com a JBS seja mais do que conhecida e completamente pública.

O que chamou a atenção da FinCen, nos Estados Unidos, foi o fluxo constante de dinheiro da Unifleisch para as offshores Lunsville e Valdarco no Panamá. A agência financeira do Tesouro norte-americano recebeu 1 Relatório de Atividade Suspeita (Suspicious Activity Report, SARs, em inglês) preparado pelo Barclays de Nova York a pedido do mesmo banco na Inglaterra.

 

 

Eis o que disse o Barclays NY no seu SAR sobre a Unifleisch:

  • “Unifleisch não foi identificada de maneira conclusiva por meio de pesquisa na internet” (de fato, a empresa tinha 1 endereço em Londres, mas não esclarecia de maneira objetiva suas atividades nem quem seriam seus controladores);
  • “Foi descoberta uma informação negativa sobre uma contraparte identificada como sendo uma das fontes primárias dos fundos da conta bancária da Unifleisch” (referência a operações de que JBS foi alvo no Brasil);
  • A Unifleisch mantém transações com partes que não são passíveis de verificação em jurisdições de alto risco e relacionadas a lavagem de dinheiro, especificamente Panamá e Suíça”;
  • “Não fica clara a relação que é mantida entre as partes envolvidas nas transações”.

O Barclays continua e diz que “a relação entre essas empresas não fica clara”. E apresenta suas dúvidas:

  • “Não há aparente razão econômica, negocial ou legal para essas transações” (dinheiro saindo da Unifleisch em Londres e sendo depositado para a Lunsville e a Valdarco, no Panamá);
  • “Os campos sobre instruções de pagamento de duas transferências relativamente altas estão preenchidos com a expressão ‘contrato de empréstimo’ ”;
  • “Os termos e os propósitos do contrato de empréstimo entre a Unifleisch e seus contrapartes são desconhecidos e”;
  • “A fonte dos fundos para a transferência do dinheiro é desconhecida”.

Segundo o documento da FinCen, “essas transferências parecem ser construídas em camadas de 1 esquema circular como tentativa de despistar ou esconder a verdadeira fonte dos fundos e/ou sua origem”.

Os documentos da FinCen indicam que Unifleisch Limited, “também conhecida como Unifleisch SA e Unifleisch S/A”, abriu uma conta numa agência do banco Barclays, em Londres, em 17 de junho de 2007 –e, por sua vez, uma conta correspondente no Barclays de Nova York, nos Estados Unidos. O próprio Barclays marcou as operações da Unifleisch como suspeitas e acionou o alerta para a FinCen –por causa das inúmeras transferências de recursos para paraísos fiscais.


Trecho do alerta da FinCen sobre atividades suspeitas da Unifleisch, que depositava dinheiro da JBS para a Lunsville e Valdarco, no Panamá

Há também duas curiosidades sobre a Unifleisch.

Primeiro, que nas menções que a JBS faz à Unifleisch em documentos ao Ministério Público e à Receita Federal a empresa é citada como “Unifleisch AS – United Kingdom”. Não há registro de firma com esse nome em controles oficiais do Reino Unido –encontra-se apenas a designação Unifleisch Limited.

A outra curiosidade é que o Barclays diz ter aberto uma conta para Unifleisch britânica em 17 de junho de 2007. Ocorre que registros oficiais sobre a criação da Unifleisch no Reino Unido são de 11 de setembro de 2007, como mostra este documento de incorporação da empresa. Ou seja, o empreendimento teria conseguido uma conta bancária antes de existir formalmente, o que pode ser 1 erro formal no relato do Barclays à FinCen ou a Unifleisch usou seu registro de incorporação já existente em outro país (a empresa opera em vários locais na Europa).

A Unifleisch no Reino Unido, em Londres, foi dissolvida em 26 de dezembro de 2016 (eis o documento oficial), justamente no final do ano em que os irmãos Batistas haviam enfrentado dificuldades em fases da operação Lava Jato. Primeiro, a operação Sepsis, em julho 2016. Depois, a Greenfield, em setembro 2016.

No seu contrato social, a Unifleisch afirma que sua atividade principal era a de “fazer negócios como uma empresa comercial geral”.

Os nomes de acionistas e diretores da Unifleisch no Reino Unido não indicam absolutamente nada: é uma lista grande de pessoas e de empresas que também aparecem em contratos sociais de uma outra infinidade de empreendimentos, como checou o Poder360. A impressão que fica é a de que o criador do negócio não queria divulgar publicamente quem estava por trás da firma.

A Unifleisch foi mais generosa ao se autodescrever para o Barclays, quando abriu sua conta bancária. Disse que atuava como “agente comercial para venda de carne” e que trabalhava “como representante da JBS SA (‘JBS’), Lunsville International Incorporated (Inc.) (‘Lunsville’) e Valdarco Investment Incorporated (Inc.) (‘Valdarco’)”.

Para o Barclays, no início, o perfil da Unifleisch “estava alinhado com as exigências antilavagem de dinheiro do Barclays Group”.

Como os documentos e os relatos obtidos por esta reportagem só vão até, no máximo, 2016, não há como saber a conclusão da investigação pelo órgão de controle dos EUA.

É importante notar que há outras empresas com o nome Unifleisch (o substantivo “Fleisch” em alemão é “carne” em português). Inclusive uma de grande porte na Alemanha (Unifleisch GmbH).

A Unifleisch atual que atende à JBS é a Unifleisch S/A, que fica na via Giacomo e Filippo Ciani, nº 16, código postal 6900, em Lugano, Ticino, na Suíça. Lá trabalha 1 funcionário direto das empresas dos irmãos Batistas, o zootecnista Juliano Silva Jubileu.

Na internet descobre-se que também é de Lugano um dos representantes legais da empresa – Giuseppe Costantino, agente fiduciário que também empresta o nome a 33 firmas totalmente distintas, que cuidam desde a produção de cinema à representação de vestuário e calçados, da fabricação de massas caseiras à gestão de boliche e fliperama.

Sede da Unifleisch, em Lugano, na Suíçareprodução/Google Maps

Giuseppe Costantino não foi localizado para falar sobre esta reportagem.

Já o zootecnista Juliano Jubileu é muito citado em textos de sites especializados no mercado de carnes. Juliano trabalha pela JBS dentro da Unifleisch. É apresentado como “diretor de exportações da JBS Unifleisch” neste texto de 3 de setembro de 2020, do Canal Rural, que pertence ao Grupo JBS. Em uma entrevista ao Canal Rural, em vídeo, fala de Lugano, na Suíça:

“Tem muita gente viajando, alguns casos de Covid-19 que tem aumentado aqui na Europa, e isso faz com que os compradores tenham sejam mais conservadores em relação a tomada de risco ou posicionamento das compras, mas, no geral, para a carne resfriada foi muito positivo, foi muito bom para o Brasil e nós conseguimos escoar muito bem”.

Nessa entrevista de 3 de setembro, o Canal Rural informa que Juliano vai deixar o posto na JBS Unifleisch em Lugano “depois de 6 anos” para assumir a operação das vendas dos produtos Seara na Europa –a Seara é uma das divisões da JBS.

Print Friendly, PDF & Email
error: